linha vermelha

¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯

iconessociais

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Playboy - Capa: Gabriela Alves, A Novinha das Novelas "Mulheres de Areia" e "Salsa e Merengue" - Edição Maio 1997

 Confira as fotos da novinha das novelas "Mulheres de Areia" e "Salsa e Merengue", Gabriela Alves, capa da Playboy de maio de 1997!

Gabriela Storace Alves (Rio de Janeiro, 1 de janeiro de 1972) Aos cinco anos, representou um "anjinho de asa quebrada" no Sítio do Picapau Amarelo. Mas para não ser rotulada apenas como filha de Tânia Alves (seu pai, Juan Toulier, foi um artista plástico peruano e morreu em 2006), entre os 15 e os 20 anos achou melhor parar com a "vida de artista", os trabalhos estavam prejudicando seus estudos. Nessa época precisou usar aparelho e passou a ser definitivamente esquecida pelos diretores. Assim que concluiu o curso de magistério, decidiu ir para os Estados Unidos estudar teatro em Nova Iorque. Para se sustentar, trabalhou como vendedora de sorvetes. Quando voltou para o Brasil, trabalhou como relações públicas e organizadora de eventos para reconquistar os contatos. Foi uma das primeiras hostess a atuar no Brasil. Gostava de usar roupas dos anos 60 para chamar atenção dos clientes. A partir daí sua vida artística deslanchou. Atuou em diversas novelas, como Despedida de Solteiro (1992), Mulheres de Areia (1993), Tropicaliente (1994), Salsa e Merengue (1996), além do seriado O Pagador de Promessas (1988), dentre outros. Entre seus trabalhos na televisão, o que mais lhe deu projeção foi Mulheres de Areia. Aos 22 anos, questionava se realmente queria ser atriz, quando foi convidada a participar da novela. Sua participação lhe deu projeção e lhe rendeu a capa da revista masculina mais famosa do país. Aos 25 anos, Gabriela posou para a Playboy em maio de 1997, e juntou dinheiro para passar um tempo fora do país. De volta ao Brasil, Gabriela, aos 26 anos, se afastou da carreira de atriz e passou a se descobrir em outras áreas. Descobriu o lado cantora e desenvolveu projetos de música, nos quais se permitia soltar a voz. Subiu ao palco com o projeto “Caetaneando”, interpretando, com outros atores, canções do compositor baiano. Depois, se despiu de preconceitos e foi fazer a novela mexicana Marisol no SBT, onde interpretava uma cantora. Esse trabalho lhe proporcionou a oportunidade de voltar com projetos musicais. Viajou para vários lugares com o espetáculo solo “Coração na Boca”, cantando clássicos da MPB que faziam parte da trilha da personagem da novela. Há pouco tempo, excursionou o país com a banda Kitsch.Net, cantando sucessos bregas, dos anos 60 e 70, com uma releitura eletrônica e muita teatralidade.Esteve também em cartaz com o musical “Bregópera”, que narra os encontros e desencontros de um casal, cantados por hits dos anos 80. Em 2011 retorna a televisão e participa da novela Amor e Revolução exibida pelo SBT.














Comentários
2 Comentários

2 comentários:

  1. Faz tempo que eu não vejo a filha da Tânia Alves (aliás, cadê a mãe, também?)...

    Mulher gostosa, viu... Puta que pariu. Tesão demais nessa época. Das globais dos anos 90, eu era mais louco por ela, Paloma Duarte, Isadora Ribeiro e Isabel Fillardis. TODAS posaram nuas; TODAS tiveram homenagens minhas.

    Muito bom rever essa edição... Valeu!

    ResponderExcluir
  2. Gabriela desfila a beleza que a mãe Tânia já tinha mostrado em dezembro de 1983.

    ResponderExcluir

Comente aqui